easy mobile web site builder software

FLAMENCO E SEVILHANAS

<< VOLTAR

Nas aulas de Flamenco, rumaremos ao sul de Espanha, à Andaluzia, berço da arte flamenca onde aprenderemos a exorcizar as emoções. Mais...

Nas aulas de Sevilhanas embarcamos nos momentos iconográficos do país vizinho. Mais...

Nas aulas de Flamenco, rumaremos ao sul de Espanha, à Andaluzia, berço da arte flamenca onde aprenderemos a exorcizar as emoções. A dança flamenca dada a riqueza das suas coreografias pode albergar sentimentos diametralmente opostos, de um profundo sentimento de tristeza a uma euforia descontrolada.

A cultura flamenca acompanhou sempre a história de Espanha e do Mundo e através dela foram-se contando e cantando momentos marcantes da vida íntima e da sociedade em geral.

Cada palo (ritmo flamenco) é por si um documento histórico, entrando nesse personagem e sentindo na própria carne as sua penas podemos ver e dançar as nossas próprias inquietações. Como dizia Federico Garcia Lorca, por excelência, o mais flamenco dos poetas “O Flamenco, é o espelho da Andaluzia que sofre paixões gigantes e cala paixões, embaladas pelos leques e pelas mantilhas sobre as gargantas que têm. Tremores de sangue, de neve, e arranhões vermelhos feitos por olhares.”


OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

* Desenvolvimento da consciência rítmica, introdução ao “compás” flamenco, noção de tempo e contratempo

* Aprendizagem de sapateados, domínio do tempo musical com a percussão feita pelos pés e pelas palmas

* Exercícios de postura, técnica de mãos e braços, expressão corporal e para as mulheres técnica de saia

* Aprendizagem de coreografia

* Conhecer a origem, a história, os cantes e os principais artistas flamencos destes ritmos desde o século passado até à actualidade

* Explorar a memória dos passos e suas combinações;

METODOLOGIAS/PROGRAMA

Cada aula é constituída por três partes:

* Uma primeira parte com exercício de aquecimento, concentração e consciencialização corporal.

* Exercícios técnicos de diferentes partes do corpo isoladas que permitirão a agilidade necessária para a execução habilidosa das coreografias.

* Aprendizagem das coreografias e execução das mesmas.


Nas aulas de Sevilhanas embarcamos nos momentos iconográficos do país vizinho. O povo andaluz sempre celebrou com cantes e bailes de sevilhanas, eventos como as feiras de gado, as cruzes de Maio e todas as outras festas que os fazem um dos destinos turísticos do Mundo e que inspiraram obras de outras artes como a mítica ópera Carmen. Retrocederemos na história para ver as sevilhanas como um baile de origem folclórico (século XIX), primeiro na forma de seguidilla, seguindo como bolero até à divisão em quatro coreografias que existem nos dias de hoje. Abordaremos os temas mais comuns: Sevilhanas de Feria da Feira de Sevilha e feiras do cavalo; Rocieras cantam temas religiosos dos devotos e da peregrinação a nossa senhora do Rocio; Sevilhanas corraleras, vulgares nos pátios de vizinhos andaluzes; Sevilhanas litúrgicas que falam da Semana Santa. Sevilhanas boleras intituladas assim pela sua coreografia típica da dança clássica espanhola e de habilidosa execução. Sevilhanas para escutar executadas por grandes músicos flamencos. No fim teremos um intricado e misterioso jogo de mãos, a contorção dos corpos em harmoniosas voltas, jogos de pés e OLÉ!

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

* Aprendizagem das quatro coreografias tradicionais de sevilhanas divididas pelas três coplas , no nível iniciação

* No nível avançado aprendizagem da utilização de leque, “manton”, “sombrero” e castanholas e variações de sevilhanas

* Aprendizagem de trabalho a solo, a pares e em grupo

* Trabalho de postura, técnica de mãos e braços

* Expressão corporal e consciencialização corporal

* Desenvolvimento da consciência rítmica

* Domínio do tempo musical com palmas

* Conhecer a origem, a história e os principais artistas de sevilhanas desde o século passado até à actualidade

* Desenvolvimento da memória corporal

* Contacto com a música e cultura espanhola

METODOLOGIAS/PROGRAMA

Cada aula é constituída por três partes:

* Uma primeira parte com exercício de aquecimento, concentração e consciencialização corporal

* Exercícios de palmas, de técnica de braços e mãos e técnica de pés

* Aprendizagem das coreografias


INFORMAÇÃO GERAL          FORMADORA: CATARINA FERREIRA


Público: Geral M/16
Nível Iniciados
Dia: terça-feira
Horário: 18h30-20h00
Mensalidade: 35€

Público: Geral M/16
Nível II
Dia: terça-feira
Horário: 20h00-21h30
Mensalidade: 35€


Local/Espaço Parceiro:
Universidade Fernando Pessoa,
Praça 9 de Abril, nº349
(Arca d’Água - Porto)


Mais Informações >>

NOTA BIOGRÁFICA DA FORMADORA

Catarina Ferreira formou-se em flamenco na Academia de baile flamenco de Maria del Mar Moreno, em Jerez de la Frontera onde foi bolseira e na escuela Carmen Contreras, em Barcelona. Na Andaluzia fez formações especializadas de flamenco com Eva La Yerbabuena, Matilde Coral, La Lupi, Javier Latorre, Patrícia Ibañez, Maria Moreno, Manuela Rios, Chiqui de Jerez , Ana Maria Lopez Angel Muñoz, Charo Espino, Juan Motta e Ana Gonzalez. Em Madrid com: Concha Jareño e La Truco. Obteve em 2009, o diploma de dança para crianças. Além de bailarina tem vários trabalhos editados como crítica de dança e de flamenco no Jornal de Notícias, Diario de Jerez, Ona Catalana e Catalunya Radio. A sua formação em dança é de base clássica, estudou durante quinze anos através dos métodos RAD e ISTD. Mestre em Teatro, pela ESMAE, pós-graduada em Cinema pela Universidade de Barcelona e licenciada em Jornalismo. Tornou-se em 2013, a primeira portuguesa a escrever uma tese sobre flamenco. É bailarina da companhia Tablao Flamenco e Con Temple, desde 2002 e bailarina convidada do projecto Esbossando.


Topo ^